rio logo HOME Campanha Blog Novidades Front Line Defenders
rio logo

RIO DIREITOS RISCOS – Defensorxs e Jogos Olímpicos

Luiz Cláudio Silva

Association of Resident of Vila Autódromo

left
left

Luiz Cláudio Silva e sua esposa Maria da Penha são ambos membros da Associação de Moradores da Vila Autódromo. Eles são figuras proeminentes em sua comunidade desde que lideraram a resistência contra as remoções forçadas no período que antecede os Jogos Olímpicos com início em agosto de 2016.

A Vila Autódromo é uma comunidade no oeste do Rio de Janeiro, situada no limite da Vila Olímpica. Em meados de 2015 a polícia tentou forçar os/as moradores/as a deixar suas casas enquanto empreendedores olímpicos planejavam a construção de instalações na área e queriam remover a comunidade para esconder a pobreza dos olhos dos visitantes. A maioria das 650 famílias que habitavam a Vila Autódromo foram pagas para abandonar a comunidade e elas foram realocadas em outros subúrbios distantes do centro da cidade.

Em alguns casos, as remoções tornaram-se violentas e houve conflitos com a polícia. A própria Dona Penha foi atacada durante uma remoção e guardas municipais quebraram o seu nariz. Desde que as remoções começaram, os defensores de direitos humanos têm vivenciado humilhação, vigilância, assédio e ataques físicos.

Luiz Cláudio e Maria da Penha são parte do pequeno grupo de 20 famílias que resistiram pacificamente e permaneceram na comunidade. Após longas negociações com as autoridades, eles foram autorizados a permanecer mas tiveram que aceitar os trabalhos de reconstrução em seu território. Sua residência foi destruída pelos tratores em março de 2015 e eles atualmente vivem em um contêiner, esperando a conclusão do projeto de reurbanização.

Em maio de 2016, os defensores de direitos humanos e outros membros da comunidade lançaram um museu a céu aberto entre os escombros, o "Museu das Remoções". Usando materiais deixados de lado pelas demolições, os residentes da Vila Autódromo construíram sete memoriais para honrar as casas destruídas. Em frente à igreja católica, um dos poucos prédios ainda de pé, eles construíram uma tocha olímpica feita de detritos.